terça-feira, 29 de outubro de 2013

AUTO RETRATO.

Mascara de madeira. Auto retrato de euflaviomadeirart.
mascara de madeira. Auto retrato de euflaviomadeirart.
ESSE É O SEGUNDO DA SERIE DE 10° QUADROS QUE ESTOU FAZENDO





TRABALHO DE EUFLAVIO GOIS.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

TITULO PROVISORIO ''O Treze''

Adicionar legenda
Trabalho do Artista Escultor e Entahador Euflavio Gois. SP

sexta-feira, 25 de outubro de 2013

uma madeira uma ideia e uma escultura
de Euflavio Gois
em São Paulo
Outubro de 2013

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

meu pé de jacarandá
Conjunto de objetos artisticos, euflaviomadeirart.

segunda-feira, 14 de outubro de 2013

Plana de madeira para restauração de instrumentos de corda

sábado, 12 de outubro de 2013

EUFLAVIOMADEIRART.
''O TREZE'' ESCULTURA DE EUFLAVIO GOIS. EM 2013 SP.
Titulo; O Treze. trabalho em jacarandá da Bahia esculpido por  Euflavio Gois. em São Paulo





Setembro de 2013.

Faltava um Dia Para Eu Nascer. continuaão

Naquele tempo pobre não tinha vez, eram tratado como cachorro, não era de bom tom um pobre trabalhador de roça frequentando os mesmos lugares dom rico, medico ou advogado, pegava mau, se ele estava ali, por que ele era um safado éh um descarado, é amigo era assim que funcionava, se um pobre quisesse tomar uma cervejinha ia pra àquela bodega láaaa na ponta da rua do cemitério, ou em quaque ponta de rua, tomar cerveja no Elite Bar! nem pensar? mais graça a deus hoje igualou tudonão existe mais aquelas desigualdades que me fez ir embora de lá, mesmo por que não tem mais gente rica por lá. O cacau que era a fonte de riqueza  de lá perdeu o valor, os velhos ricos morreram todas ficaram os filhos que jogaram tudo fora, os netos agora são todos pobres e a metade vinheram pra São Paulo assim como eu, chegaram aqui ficaram como eu pinhão de fabrica.

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Faltando um Dia Pra eu Nascer,. Continuação

O Governo de Juscelino Kubitschek de Oliveira trouxe um progresso para o Brasil sem precedente, o Brasil optou pela industrialização e para afastar a classe operária do centro industrializado, Rio e São Paulo,  governo talvez por exigência dos Estados Unidos resolveram construir Brasília as pressas lá no planalto central há mais de mil quilometro do eixo Rio e São Paulo, mais beleza tudo financiado pelos Estados Unidos e  com o dinheiro do IAPI, INPS hoje. Com a construção de Brasília a infração ganhou altura chegando as nuvens, chegou a nives insuportáveis,  só quem viveu sabe o que foi. Mais tudo isso foi café pequeno, o pior estava ainda por vim por quer não tem nada tão ruim que não possa piorá. Ainda faltava o Sarnei ser Presidente e ele foi num sabe? Vou falar um pouco das brincadeiras de criança que eu gostava mais, tomar banho de rio, de pega pega, esconde esconde, de brincar com as caravelinhas, tirá elas de dentro do buraco, agente pegava um talinho de capim enfiava no buraquinho e puxava ela, amarrava uma linha, e fazia guerra de caravelas, era muito bom, mais tinha uma brincadeira que eu gostava muito muito, mais ai quando eu já tinha meus 13 ou 14 anos, era brincar de anelzinho, agente sentava no passeio todos juntos vinha uma menina com um  anelzinho e falava; guarde meu anelzinho bem guardadinho, passava por todos e colocava na mão de alguém, guarde meu anelzinho bemmm guardadinho, quando botava o anelzinho na minha mão era uma felicidade sem fim. Vou falar mais um pouco do cinema, com os melhores filmes da minha vida,   Uma Aventura na Africa, Comanches, Nos Tempos Das Diligencias, 55 Dias em Pequim, O Ultimo Por do Sol. Depois vim pra São Paulo trabalhei com louco pinhão de fabrica, depois estudei um pouco. Agora aos 65 anos começo fazer eaculturas em madeira. depois um pouco depois viro poeta. Poeta!


                              FIM

Autor Euflavio Gois Lima.
São Paulo-BR Outubro de 2013.

 

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Faltando um Dia Pra Eu Nascer...


Era dia sete de outubro eu não tinha nascido ainda, na Europa a segunda guerra mundial estava no seu auge,
minha mãe fazendo serão na fabrica de tecido como voluntária, para suprir o Exercito de brim craque  para as fardas dos soldados da ''FEB'' Força Expedicionária Brasileira enquanto isso eu me preparava, via se não estava esquecendo nada, por quer no dia oito eu ia nascer. Passei nove meses ali. Agora chega! ninguém me segura, vou nascer, e no dia 08 de outubro pronto nasci. Não entendia o por quer da alegria de todos, eu só queria comer, e comi. O tempo foi passando e eu ali, só colo e  rede não estava entendendo nada e chorava muito. Um dia comecei andar, andava e caia, andava de quatro pé pra não cai, depois de mais um pouco comecei a falar, mamãe, depois papai, um dia encontraram uma cobra passeando na borda da minha rede opa! ai não? minha mãe falava que era uma cobra verde, mais ela chamou alguém que matou a bicha, mais a história foi contada por muito tempo e ainda é. Eu ia crescendo rapidamente, minha mãe e tendo outros filhos, na verdade filhas, mais as três filhas que nasceram depois de mim morreram de sarampo ainda pequenas. Eu tinha cinco anos quando meu pai teve a ideia de se mudar pra Bahia, Sul de Bahia,mais precisamente para Coaraci onde ele tinha vivido alguns anos atraz, mais ele não falava muito sobre isso,o fato é que minha mãe teve que pedi a conta na tecelagem onde ela trabalhava, para segui meu pai, o fato é que foi na viagem que eu senti o primeiro sabor da minha vida, não lembro de ter sentido sabor antes desse, que foi o sabor de hortelã, alguém na viagem comprou um tablete de pastilha de hortelã e me deu uma pastilha de hortelã de formato retangular, esse é o primeiro sabor que eu me lembro ter saboreado, o primeiro dai pra frente minha vida foi uma delicia, cheia de delicias, sabores mil.Chegamos em Coaraci em 1949. Cidade pequena em comparação com a nossa cidade, mais acostumamos logo com o clima do Sul da Bahia, eu ia fazer 6 anos ainda, não tinha ido pra escola, em Coaraci que eu fui colocado na escola, naquele tempo as crianças iam pra escola com 7 anos de idade, eu servi de assombro pois aprendi o ABC em uma semana, minha primeira professora foi dona Carmem Dias, está viva ainda sempre que vou a Bahia visito ela,  É uma alegria quando eu chego lá, com 7anos ainda não saia de casa sozinho, ia pra o rio com minha mãe que lavava roupa no rio, ia nas roças dos outros atraz de  coco de catolé em outras regiões chamado de babaçu e outras frutas da região, só depois dos 9 ou 10 anos que eu comessei sai de casa sozinho, ai foi uma beleza, tomava um coro quase todo dia da minha mãe primeiro depois ela falava o que eu tinha feito e meu pai dava outro coro. Logo descobriria o cinema que se transformou na minha paixão, fazia carreto na feira pra ganhar os trocados pra ir ao cinemas escondido, até descobri contar o filme pra minha mãe que passou a gostar das histórias dos filmes tal era a perfeição que eu contava o filme pra ela, contava com riqueza de detalhe os seriados de Durango Kid, um sucesso de bilheterias, mais tinha os seriados de Tarzan. Meus  dez,onze e doze anos foram maravilhosos, muito cinema, muito circo, muito comícios muitos banhos nu no rio Almada, no poço de Pedro Procópio, muitas preocupações pra minha mãe, mais eu ajudava muito também, de manhã eu levantava cedo pra ajudar, meu pai que matava carneiros, pra vender a carne. Muitas viagens com meu pai cantando e  assoviando a viajem inteira, Agora vou contar o que vi nesses setenta anos de vida, vi morrer Francisco Alves o rei da voz, Carmem Miranda, Getúlio Vargas, todos na década de 50. As guerras guerra da Coreia, construção da muro de Berlim, criação da Petrobras  conquista da copa do mundo de 1958,  Com 11 anos já era torcedor do Vasco da Gama, melhores filmes daquela época Assim Caminha a Humanidade, O Maior Espetáculo da Terra, E O Vento Levou, Lampião o Rei do Cangaço, Deus e o Diabo na Terra do , um dos esta entre os melhores que já assistir. Sol, filme de Glauber Rocha O Ultimo Por do Sol. Algumas novidades comessavam a chegar nas casas de todos, ou do pobre a luz elétrica,  o rádio, demorou muito a chegar, o fogão a gaz, o ferro de engomar, a enceradeira, o bomba de poço o chuveiro elétrico, a  geladeira chegaria um pouco mais  tarde nas casas de todos.


                                         FIM.


Autor Euflavio Gois
em São Paulo outubro de 2013      


,















segunda-feira, 7 de outubro de 2013

sábado, 5 de outubro de 2013

quinta-feira, 3 de outubro de 2013

AMIGO AZUL.

Céu azul, muito azul.
Dizem céu de brigadeiro.
Aviões caças, limpos brilhantes,
Pronto abastecidos para voar,
ou decolar, como dizem...
Homens azuis, engalenados,
corações batendo apressados.
Sim! embaixo das fardas azuis,
tem um coração batendo.
Disse o Soldado Arcanjo uma vez.

Esses homens azuis
tem história, tem papel.
Cuidam da segurança.
Cuidam do céu, do mar e da terra.
Cuidam de si, cuidam de nois.
Os nervos dos Pilotos se fundem
com o aço dos aviões.
Ficam de aço também.

Homens Azuis, corajosos.
Nos acentos preparados,
repelidos ou atirados,
para o vazio do azul,
para em qualquer lugar cair.
Esses homens estão aqui.
Vejo ali soldado Arcanjo,
sorrindo orgulhoso. Ele é soldado azul.
Hé amigo azul.

FIM
Autor:Euflavio Gois.
Setembro de 2013 SP.




quarta-feira, 2 de outubro de 2013