terça-feira, 23 de setembro de 2014

domingo, 7 de setembro de 2014

FANTASTICO NO ESPELHO

ESCULTURA DESSE EUFLAVIO MADEIRART.
EMJUNHO DE 2014-SP

FANTASTICO

SAO 187 ROSTOS FANTASTICOS.

''CORUJA''

CORUJA  DESSE Euflavio Madeirart.

AGOSTO DE 2014-SP


''O DORMENTE''

Esultura desse Euflavio Mdeirarte.
julho de 2014-SP

quinta-feira, 4 de setembro de 2014

'' CANUDOS ''

MAIS UM TRABALHO DESSE EUFLAVIO MADEIRART. DE 2014. ESCULTURA EXPERIMENTAL.














UMA HOMENAGEM
 A CANUDO NO SERTÃO BAIANO DE ''ANTONIO CONSELHEIRO E SEUS SEGUIDORES ''

AINDA SEM TITULO.

MADEIRA DE TRILHO DE FERROVIA.

MEDINDO 45X 15. UM CUBO.
DE EUFLAVIO MADEIRART





BREVE ESTARÁ A VENDA.


TELEFONE DO ARTISTA 1120354239SP

terça-feira, 2 de setembro de 2014

''OUTONO''

SOPRA UM VENTO FRIO
NO ROSTO DO MUNDO
SOPRA, BALANÇANDO
AS FOLHAS QUE JUNTA
COM AS PÉTALAS DAS
FLORES SOLTANDO  O
PERFUME QUE CAEM  NA
TERRA,  QUE  DORME
PROFUNDO NÃO SENTE,
NÃO VER.

SOPRA UM VENTO GELADO
QUE VEM TRAZIDO DO MAR,
QUE GELA O ROSTO DA TERRA,
COBRINDO DE NEVE, DE BRANCO
O VERDE DOS CAMPOS, O CINZA
DAS PEDRAS, O OCRE DA TERRA,
QUE DORME PROFUNDO NÃO
SENTE, NÃO VER.

É OUTONO AS FOLHAS CAÍRAM,
OS PÁSSAROS CALARAM,  AS
FOLHAS AS FLORES ALIMENTAM
A TERRA QUE DORME PROFUNDO
NÃO SENTE, NÃO VER.
AS ABELHAS RECOLHIDAS DENTRO
DA COMEIA,  BEIJA-FLORES,
BORBOLETAS, OS POETAS E
ARTISTAS  ESPERAM PRIMAVERA
CHEGAR.

              fim

autor: Euflavio G. Lima.
São Paulo-BR
2 DE SETEMBRO DE 2014

''O BORDADO''

Estava meio  à toa
e pensando como poeta.
Imaginei minha vida
bordada num grande pano,
fiz, assim, tipo um projeto e
pensei eu vou buscar
em Sergipe e Alagoas
as melhores bordadeiras,
vou também em Pernambuco,
pra buscar mula rendeira.


           Vou compra pano de linho,
           linha de todas as cores.
          Azul, verde, amarela,
           laranja, branca, marrom,
           vermelha,preta e lilaz,
           para bordar o meu pano,
           muita linha. Eu vou comprar.


Bordem em primeiro lugar,
minha mãe lavando roupas,
nas grandes pedras do rio
e eu por ali brincando
naquelas aguas tão limpas,
brincando com os bichinhos,
com os peixinhos,
os moradores do rio.
As borboletas, os grilos,
são meus velhos companheiros.


          Cantavam  também por ali,
          o  alegre bem-te-vi,
          o sabia laranjeira.
          Bordem muitas margaridas,
          cravos de todas as cores.
          Bordem o rio descendo
          lentamente para o mar.


Lá no alto, lá bem no alto
pontinhos negros voando,
são urubus que enfeitam,
o lindo seu cor de anil.
Bordem bordem tudo
eu quero ver tudo bordado,
bordado no grande pano.


         Bordem caminhos estreitos.
         Bordem cruzes nos caminhos.
         Muitos rios, muitos lagos.
         Os Pioneiros chegando,
         vindo de todo lugar,
         lá na morada do Sol,
         eles também vão morar.
         Bordem bordem carros de bois,
         um pé de rosas vermelha,
         uma casa de sapé.


Bordem todas brincadeiras
cabra cega, esconde esconde,
pega pega e os babas.
Donata contando história
era bonito de ouvir.
Nas noites de lua cheia
as meninas do lugar
faziam um grande roda,
fazia todos cantar
meu limão meu limoeiro
meu pé de jacarandá,
uma vez estindo le le,
outra vez estindo la la.
E assim esse meu pano
tá lindo de arripiar.


         Por favor bordem o cinema,
         o cemitério a igreja da matriz,
         bordem bordem os fazendeiros
         nos cavalos marchadores,
         o grande jequitibá Rei.
         Bordem o pé de tambori.
         Bordem o pé de mulungu,.
         Em fim mulheres bordadeiras
         assinem a sua arte para mostrarmos
         pra todos como ficou nosso pano,
         nosso Bordado...


            FIM.


                

Autor: Euflavio Gois Lima
             EUFLASVIO MADEIRART
             São Paulo 2013.